OFICINAS 11ª MOSCA


 
Imagem de “Linguria Calorosa" curta de de Tatiana Poliektova e Olga Poliektova (2013), uma das referências da oficina.

Imagem de “Linguria Calorosa" curta de de Tatiana Poliektova e Olga Poliektova (2013), uma das referências da oficina.

AS POÉTICAS DA CIDADE
a cidade refletida em nós mesmos: intervenção urbana

Ministrada pelo Profº. Francislei Lima da Silva (parceria UEMG)

A oficina propõe sugerir itinerários afetivos em Cambuquira e reconhecer novas identidades e linguagens, através de criação coletiva e intervenção urbana.

Uma das referências é o curta “Liguria calorosa”, de Tatiana Poliektova e Olga Poliektova (doc/exp, 2013) exibido na 9ª edição da MOSCA, que apresentava pessoas espalhadas por diferentes lugares de um pequeno lugarejo ao norte da Itália, refletindo em espelhos aquela imagem vista por esses indivíduos, captadas em seus olhares afetivos sobre a cidade.  A proposta da oficina é que os participantes da 11ª MOSCA possam percorrer Cambuquira, registrando -  através de câmeras fotográficas e celulares itinerários possíveis, que valorizem novas formas de visualidade e legibilidade das camadas de historicidade desse lugar de memória.

Idade Mínima: 16 anos  |  Vagas: 10  |  Carga horária: 8h

Data e horário: Quinta, 20/07: das 10h00 às 13h00 / 14h00 às 19h00

Programa das atividades:

- Projeto de instalações a serem fixadas sobre algumas fachadas de construções antigas pela cidade, sugerindo aos moradores um olhar incômodo sobre o lugar do cotidiano;

 – Introdução dos conceitos básicos: cidade, patrimônio cultural, poéticas da cidade, memória afetiva e monumentalização;

 – Oficina pelas ruas de Cambuquira na identificação dos estilemas arquitetônicos que fazem dessa cidade um importante lugar para estudo do historicismo arquitetônico, sugerindo novos itinerários afetivos;

 – Produção de narrativas visuais sobre a cidade.

Francislei Lima da Silva é arte educador, docente do curso de História da UEMG - Universidade Estadual de Minas Gerais e Coordenador de Pesquisa da Unidade Campanha-MG. Doutorando em História da Arte pelo Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas – PPGHIST/IFCH/UNICAMP. [Vem se dedicando a intervenções urbanas nas cidades do circuito das águas a fim de provocar as comunidades locais quanto a leituras poéticas desses lugares de memória fortemente marcados pelos monumentos hidráulicos.]


Oficina de rotoscopia ministrada por Ana Lucia Godoi

ANIMAÇÃO EM ROTOSCOPIA

para crianças e adolescentes

Ministrada por Analucia Godoi

Na rotoscopia sobre papel, a partir de uma referência de movimento previamente captado, surge a liberdade para experimentar cores, traços e texturas diferentes numa mesma sequencia de ação, o resultado surpreende, quando conseguimos reconhecer o movimento em meio a uma multiplicidades de cores e traços diferentes.

Idade Mínima: 5 anos  |  Vagas:  20  |  Carga horária:  8h

Data e horário: Sábado, 22/07: 10h00 às 12h00 / 13h30 às 17h30

Programa das atividades:

- Gravação de uma breve sequencia em vídeo

- Exportar e numerar a sequência de imagens

- Preparação das imagens impressas, em papel furado

- Pintura de desenho sobre as imagens em mesa de luz

- Fotografia dos frames finalizados em sequencia

- Análise do resultado 

Analúcia Godoi é sócia e diretora do estúdio de animação Giroscópio Filmes, desde 2008. Entre as suas produções estão séries de interprogramas premiadas para o Canal Futura, e vinhetas de abertura para o Anima Mundi e para o FICI. Dirigiu o curta metragem "Virando Gente" premiado pelo juri infantil do Festival de Cinema Infantil de Florianópolis e finalista do Grande Prêmio de Cinema Brasileiro.


PROCESSOS EDUCATIVOS VIVENCIADOS EM EXPERIÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO POPULAR NA MOSTRA AUDIOVISUAL DE CAMBUQUIRA-MG (MOSCA).

Conversa com Djalma Ribeiro Jr, autor da tese de doutorado sobre o tema, publicada no fim de 2016. Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Segue a tese para leitura: http://bit.ly/2rj0I23

Data e horário: Sábado, 22/07: 15h às 17h

Para educadores, agentes culturais, estudantes e interessados em geral  |  Não há limite de vagas

 

CRIAÇÃO DE PODCAST

Ministrada por Paulo Morais (parceria VIRAMINAS)

Os participantes terão a experiência de criar um podcast (espécie de programa de rádio para Internet), definindo o tema a ser abordado e o formato (entrevista, debate etc). O programa será editado e publicado na web, ficando disponível tanto para o público da mosca quanto para o mundo.

Idade Mínima: 14 anos  |  Vagas: 12  |   Carga horária: 7h

Data e horário: Quinta, 20/07: das 10h00 às 12h30 / 13h30 às 18h00

Programa das atividades:

- Definição de tema, estilo e título do podcast;

- Discussão de equipamentos mínimos para gravação caseira;

- Criação de vinheta no programa Audacity;

- Gravação do primeiro episódio;

- Feeds e serviços para divulgação na web.

Paulo Morais é jornalista, produtor cultural. Trabalha no projeto Museu da oralidade, da viraminas, onde toca projetos em estúdio de áudio, incluindo produção radiofônica e para podcast. Com o programa de rádio Idearia, foi premiado no edital Pontos de Mídia Livre, do Ministério da Cultura.


"The White Diamond", de Werner Herzog (2004).

"The White Diamond", de Werner Herzog (2004).

REALIZAÇÃO AUDIOVISUAL
O documentário de Werner Herzog

Ministrada por Felipe Carrelli

Werner Herzog  não viu nenhum filme até ter 11 anos de idade. Nunca frequentou escolas de cinema e tão pouco foi assistente de alguém na indústria cinematográfica. Hoje, é o maior documentarista em atividade. Nesta oficina, vamos nos debruçar sobre o seu trabalho* e realizar nosso próprio documentário!

Não há pré requisito para a oficina, não é obrigatório conhecer a obra de Herzog previamente.*

Idade Mínima: 12 anos  |  Vagas: 12  |  Local:  Carga horária:  15h

Datas e horários: Sexta, 21/07, das 10h30 às 12h30 / 13h30 às 18h00

Sábado, 22/07, das 9h30 às 12h30 / 13h30 às 18h00

Programa das atividades:

- Sex, 21/07, das 10h30 às 12h30: Apresentação e aula teórica: quem é Werner Herzog, mostra de referências fílmicas, debates sobre sua estética.

- Sex, 21/07, das 13h30 às 18h00: Continuação da aula teórica: encontrando um tema, como abordar nosso tema, desenvolvimento do roteiro e elaboração do cronograma de gravação.

- Sáb, 22/07 das 9h30 às 12h30: Aula básica de técnica: câmera e som. Divisão de funções da equipe. Gravação.

- Sáb, 22/07 das 13h30 às 18h: Gravação.

- Dom, 23/07: 14h30 - Apresentação do Documentário no encerramento da mostra. 

* Caso os participantes queiram assistir previamente, os filmes abordados serão: O Diamante Branco (The White Diamont)  Pequeno Dieter Precisa Voar (Little Dieter Needs to Fly),  O Homem Urso (Grizzly Man),  Encontro no Fim do Mundo (Encounters at the End of the World), A Caverna dos Sonhos Esquecidos  (Cave of Forgotten Dreams) e Visita ao Inferno (Into the Inferno).

Felipe Carrelli, como documentarista independente, dirigiu e editou dois longas-metragens: “Ano-Luz” (2015) e “Leila” (2016), além dos curtas-metragens “O Piano” (2016) e “Temporão” (2011). É bacharel em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), trabalhou como montador na produtora Filmes para Bailar, onde participou da edição do longa-metragem de ficção Delírios de um Cinemaníaco (2013) e do documentário Histórias de um Juruá (2012).


CINE HISTÓRIA: O FILME NA SALA DE AULA

Ministrada pela Profª Edna Mara (parceria UEMG)

O papel educativo do filme na perspectiva escolar e não escolar, aliando a discussão teórica à prática em exibições fílmicas comentadas.

A proposta da oficina é discutir teórica e metodologicamente o uso do cinema como material didático a ser utilizado nas aulas de História na Educação Básica. Reflexão sobre a não separação entre as práticas de docência e pesquisa histórica a partir da interdisciplinaridade e de projetos transversais através do uso do cinema.

Idade Mínima: 16 anos  |  Vagas: 20  | Carga horária:  6h

Datas e horários:  Quinta, 20/07: das 14h00 às 17h00

Sexta, 21/07: das 14h00 às 17h00

Programa das atividades:

- Aspectos das relações entre cinema e História;

- Produção historiográfica e fontes históricas: possibilidades do historiador ao utilizar o cinema como fonte;

- Cultura Histórica, Consciência Histórica e o Ensino de História;

- Discussão sobre roteiro de análise de um filme a ser utilizado;

- Possibilidades de classificação de filmes e suas relações com a sociedade;

- Estudo de caso: análise e discussão de trechos de um filme.

Edna Mara é professora e coordenadora do curso de História da UEMG - Universidade Estadual de Minas Gerais Unidade Campanha-MG. Doutoranda em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, coordenadora do Centro de Memória do Sul de Minas (CEMEC).Tem experiência na área de História e Educação.